Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

souselalentejo ( Desabafos)

           Uma escola…

            Uma escola como todas as outras. Uma comunidade educativa tal como todas as outras. Alunos tal como todos os outros.

            Houve um dia em que alguém se apercebeu de que algo não estava bem. Houve um dia em que alguém teve coragem para se insurgir contra alguns métodos usados àquilo que deveria ser instrução, educação aliada á amizade e relacionamento. Componentes necessárias á metodologia ao qual o aluno , sem medo, sem receio e com à-vontade certamente verá o seu percurso de aprendizagem ser o normal, ser o satisfatório, ser o percurso normal de qualquer criança.

            Alguém se insurgiu contra o que deveria ser o acima descrito, por utilização de métodos totalmente diferentes daqueles relatados.

            Alguém falou, escreveu e fez com que as instituições de alguma forma se apercebessem de que, o mau, estava instalado e de que alguma coisa haveria de melhorar.

            Qual o aluno que ao passar pela sua professora, não gosta de cumprimentar, de falar, prova evidente do bom relacionamento existente entre ambos?

            Qual o aluno que não gosta de recordar com saudade os seus tempos de infância da sua escola, do seu professor e dos seus colega? Certamente que todos. Mas houve um dia que alguém se apercebeu que o futuro em nada seria assim. Por isso esse alguém falau, esse alguém criticou, esse alguém perante as entidades responsáveis fez ver que algo não estava bem.

            Após o assunto ser resolvido, encarado com frontalidade com seriedade, a atitude passou a ser diferente, as metodologias também passaram a ser diferentes e o relacionamento também passou a ser outro.

            Alguns anos depois , verificamos que os mesmos métodos de relacionamento com discriminação á mistura, continuam agora com outras crianças e com outros intervenientes. Alguém nada aprendeu com as lições fora do contexto curricular. Alguém não aprendeu que estar e servir a comunidade educativa é ter-se gosto em estar, trabalhar e servir os outros( crianças). Alguém não aprendeu, pois problemas identicos continuam. Ou é falta de vontade, falta de paçiência ou uma grande falta de vocação. Chegou-se a dizer que nunca houve problemas a não ser com esse alguém. Pareçe não ser bem assim. Aliás , nunca foi assim...Deixou essa expressão, de fazer qualquer sentido pois...

            Continuam as queixas, as mesmas que um “ alguém” o alguém protagonista deste texto, um dia fez ver que algo não estava bem.

            Caros amigos , em nada o presente, tem que haver pessoalmente comigo nem com os meus. O passado já teve a minha interferência, com a insistência e exigência de trato igual para uns, o mesmo que outros têm , talvez pela sua condição social ou religiosa ou seja de que espécie for. Mas jamais me calaria nem me silenciarei ao saber que outras crianças estão a passar o que umas outras já no passado, passaram.

            Á comunidade educativa, digo que este desabafo em nada tem que haver comigo ou com os meus. Mas um dia já teve haver. Um dia repito. Um dia em que eu julgava que a lição tomada serviria para o resto do percurso educativo de alguém responsável, de alguém com responsabilidade, de alguém que deveria servir todos de igual modo sem qualquer tipo de exclusão, sem qualquer tipo de diferenciação, sem qualquer tipo de preferência, porque as CRIANÇAS SÃO TODAS IGUAIS.

            Á comunidade educativa digo que  jamais se deverá dizer a qualquer pai, a qualquer responsável pela educação de uma criança, que o seu educando “NÃO FAZ CÁ FALTA”. Á comunidade educativa, digo que jamais uma criança deve sentir-se excluída. Á comunidade educativa digo que jamais uma criança deve ser posta de lado porque segundo critério do seu professor, NÃO ACOMPANHA COM A MESMA RAPIDEZ, OS OUTROS. Devem todos mas todos independentemente da sua cor, da sua religião, das suas condições económicas e sociais, serem trabalhados de forma a que o seu sucesso escolar seja o melhor possível. Devem todos mas todos os alunos independentemente dos adjectivos atrás mencionados, terem as mesmas oportunidades, sem quaisquer “ rótulos”, sem quaisquer indiferenças. Nenhuma criança deve de ter MEDO de ir á escola. Quando tal aconteçe, o insucesso é inevitável. É assim que eu vejo a Educação. É assim que eu vejo a Escola, é assim que eu vejo perante a nossa constituição, o processo , métodos educativos, e metodos de procedimento. Escola e trato igual para todos.

            Á comunidade educativa digo para que duvidas não persistem com este desabafo o seguinte:

            1- o mesmo em nada tem que haver comigo ou com alguém relacionado comigo.

            2- Felizmente hoje . alguém relacionado comigo, não sente o que sentia quando frequentava o 1º ciclo do ensino básico. Descriminação.

            3º- Este desabafo é fruto da revolta que sinto porque um dia eu resolvi enfrentar os problemas, ao qual penso, ter sido bem sucedido, e hoje parece que os mesmos persistem, com outras crianças.

            4º- Para que não haja duvidas, a minha filha , Graças a Deus, hoje sente-se igual a todos os outros alunos, com algum sucesso escolar  sem rótulos, e sem se sentir excluída e diferente dos outros porque teve os seus educadores( pais) que se insurgiram um dia contra alguns métodos aos quais não se reviam, nesta tão falada e tão usada como expressão…Processo educativo utilizado por alguns intervenientes directos ( professores) á revelia do Ministério da Educação.

            Perdoem-me o extenso desabafo mas, a minha indiferença ao saber que outros estão a passar o que directamente eu e os meus passaram sem intervir, jamais fez, fará ou irá fazer parte da minha personalidade/maneira de ser.

             Mais informo que outro post futuramente surgirá, mas desta vez e porque acho conveniente, para os pais.

Carlos Gil

 


PUBLICADO POR: carlosgil às 16:00
LINK DO POST | COMENTAR | Adicionar aos favoritos
12 comentários:
De @Mota@ a 1 de Dezembro de 2009 às 22:43
não entendi muito bem esta situação, podes explicar melhor.


mot@


De carlosgil a 2 de Dezembro de 2009 às 00:41
Posso sim amigo Mota...
Falo do inicio do percurso escolar de um aluno que é extremamente importante . O inicio é a base , o alicerce para o sucesso escolar. Quando um aluno vai para a escola com medo de ir para a escola nesta faze de iniciação escolar, certamente que algo não está bem. Os castigos, os gritos etc... podem muito bem não ser a metodologia apropriada para quem está no 1º ano do ensino básico ou seja, o que nõs chamavamos a 1ª classe.
são desabafos, que certamente um alguém , entenderá muito bem...
abraço


Comentar post

Pesquisar neste blog

 

ARQUIVOS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


LINKS